20/06/2020

 

Uma associação de alta produtividade, com baixo custo de operação, focada na gestão do plano de saúde. Assim o gerente geral de Desenho Organizacional da área de Recursos Humanos da Petrobras, Felipe Tokar Dubus, define a entidade sem fins lucrativos que assumirá o novo modelo de gestão da AMS Petrobras. Há 16 anos na companhia, o engenheiro de produção conduz, na equipe de transição, a criação da estrutura organizacional e dos processos da nova entidade, além de estabelecer suas interfaces com a Petrobras. Nesta entrevista, ele conta que o momento é de estruturação do desenho organizacional da nova associação, que contará com órgãos próprios de governança, incluindo instâncias participativas, como Assembleia, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. “A gestão transparente, com forte controle e organização, é o nosso foco para entregar os melhores resultados para beneficiários e para a rede credenciada”, garante.


Como é realizado o trabalho da equipe de transição?


O trabalho é desenvolvido a partir do entendimento da situação atual dos processos e responsabilidades da AMS Petrobras e do futuro que desejamos construir, com base em pesquisas de referenciais externos e melhores práticas de mercado. Os profissionais da AMS Petrobras têm nos ajudado bastante no entendimento pormenorizado dos processos vigentes e na antecipação dos desafios que poderemos enfrentar. Nossa atuação também é em estreita parceria com os setores Jurídico e de Governança da companhia, para que todos os aspectos relacionados ao novo modelo de gestão sejam cobertos tecnicamente e possam contribuir com o resultado final: uma associação de alta produtividade, baixo custo, eficiente, focada na gestão do benefício, com elevados níveis de qualidade de entrega.


Quais as fases do processo de transição para o novo modelo de gestão?


O momento é de estruturação do modelo de governança da nova associação. Estamos estudando todos os processos necessários para o pleno funcionamento da entidade, considerando as obrigações legais e os referenciais externos, por meio da experiência de outras instituições semelhantes. É necessário cobrir todas as atividades que estarão sob responsabilidade da associação e entender a carga de trabalho que cada frente de atuação demandará. Nossa expectativa é concluir essa estrutura até agosto e, com a aprovação do grupo multidisciplinar, dar prosseguimento ao processo decisório e às demais etapas para criação da associação.


Como será o desenho organizacional da nova associação?

O organograma completo ainda não está definido. Além das áreas operacionais tradicionais em um plano de saúde - parte administrativa e financeira, processos técnicos de saúde, normas regulatórias, instrumentos de controle e acompanhamento da rede credenciada – estão previstas instâncias participativas, como Assembleia, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. A associação contará com órgãos próprios de governança e com controles internos específicos de operadoras de planos de saúde, por exemplo, para o desenho e o acompanhamento de riscos. Tudo isso produzirá um sistema de integridade mais robusto. A nova estrutura também aliviará a gestão interna da Petrobras, evitando que a companhia – especializada na indústria de óleo, gás e energia - precise se dedicar a uma outra área de atuação, a saúde suplementar. A gestão transparente, com forte controle e organização, é o nosso foco para entregar os melhores resultados para beneficiários e para a rede credenciada.


Quais os avanços da nova proposta em relação à estrutura atual da AMS?


O novo modelo favorecerá a gestão do benefício, a agilidade na resposta a demandas dos beneficiários e da rede credenciada, o controle de abusos e fraudes, a transparência, a redução de custos. Esses avanços são viáveis porque trabalharemos com uma estrutura profissional dedicada à gestão do plano de saúde e, ao mesmo tempo, mais enxuta e focada. Para isso, associação será integralmente dedicada à gestão do benefício e contará com profissionais com competências da área de saúde suplementar.

 

15/06/2020

NOTÍCIAS

ANTERIORES