20/05/2020

Castello Branco já foi notificado
A partir de representação do deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ), o Ministério Público Federal (MPF) instaurou investigação para apurar denúncias de irregularidades na mudança de gestão da Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) dos empregados da Petrobrás.
O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, já foi oficializado.
A AMS mudou o modelo de gestão do plano de saúde da Estatal e subsidiárias o que irá impactar, significativamente, os cofres da empresa, pois, segundo cálculos do deputado, será gerada imediatamente uma despesa de R$ 2 bilhões, além de aumentar os custos para os empregados.
A AEPET está promovendo ação na justiça para barrar mais esta iniciativa da diretoria, que contraria interesses da Companhia e de funcionários da ativa e aposentados.
A Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) é um benefício de assistência suplementar de saúde, sem fins econômicos, de natureza assistencial, criado e instituído desde 1975, através de Acordo Coletivo de Trabalho pactuado entre a Petrobras e entidades sindicais representantes dos empregados. Para operação, a Petrobras mantém registro como Operadora de Saúde de autogestão junto à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O Benefício é disponibilizado para empregados ativos, aposentados e pensionistas, além de dependentes e agregados, a eles vinculados, totalizando 246 mil beneficiários. Por ser um plano de autogestão, sem fins lucrativos, reduz significativamente os custos para a empresa e seus beneficiários, além de ser o principal benefício da Estatal e instrumento de atração e retenção dos profissionais.

NOTÍCIAS

ANTERIORES